Princípios

A Osteopatia baseia-se nos seguintes princípios:

1. Estrutura e Função são Interligadas

Dr. Still descreve este processo da seguinte forma, “Doença é resultado da anormalidade anatômica seguida da desordem fisiológica”.

Nesse princípio, o corpo humano é visto como uma máquina que possui partes relacionadas entre si, que precisam estar bem posicionadas e mover-se corretamente para desempenhar sua função. Como exemplo dessa relação estrutura e função, podemos observar o sistema respiratório, onde, a respiração pode se tornar mais difícil se as costelas, diafragma e coluna não se moverem corretamente. E com a respiração comprometida, a drenagem linfática (necessária para a limpeza da congestão e inflamação) também é prejudicada, favorecendo assim, o desenvolvimento de problemas respiratórios.

Na epidemia Influenza (1917-1918), aproximadamente 30.000.000 pessoas morreram no mundo inteiro e nos EUA onde os osteopatas trataram seus pacientes com manipulação osteopática, houve grande redução da taxa de mortalidade. Enquanto os hospitais da medicina tradicional reportaram de 30% a 40% de taxa de mortalidade, os hospitais da medicina osteopática reportaram a taxa de mortalidade menor que 1%.

2. O Corpo é uma Unidade Dinâmica de Funcionamento.

Considerando o sistema circulatório, o Dr. Still afirma: “A regra da artéria e veia é universal para todos os seres vivos. O osteopata deve ter pleno conhecimento das diretrizes que regem o sistema circulatório ou ele não terá sucesso”. Dr. Still usou essas palavras para descrever o quanto é essencial para a boa saúde a troca de líquidos no corpo. Quando os líquidos corporais circulam livremente, os tecidos podem executar suas funções fisiológicas livremente, sem interferências. Mas quando uma lesão ou doença ocorre, a causa pode ter sido uma torção ou uma compressão dos tecidos, incluindo o sistema circulatório. Tanto o sangue como qualquer outro líquido corporal, quando obstruídos, deixam o corpo em estado de vulnerabilidade, podendo ser um fator significante no surgimento de doenças. “É como tentar regar o jardim com uma mangueira furada ou torcida, a água não flui devidamente, privando o jardim de receber os seus nutrientes”. Entender esse princípio é o que permite ao osteopata, diagnosticar e tratar seus pacientes como um todo. Isso explica porque muitas vezes, o osteopata precisa tratar uma área do corpo distante do ponto de dor ou lesão.

3. O Nosso Corpo Possui Mecanismos de Autorregulação e Autocura

O corpo humano está sempre trabalhando para manter o estado de equilíbrio funcional, por exemplo: a pressão sanguínea, a taxa de glicose e o ritmo cardíaco são mantidos ativamente dentro de uma cadeia de funcionamento normal.

A autorregulação e a autocura sempre vão estar relacionadas com a sabedoria inerente dos tecidos, com a ampla força restauradora e com a inteligência dentro de todas as células que mantém o corpo saudável. Quando o estado de desordem aparece, esta força de cura age para restaurar o equilíbrio funcional e a harmonia.

Dr. Still afirma que "os medicamentos necessários para manter a saúde se encontram dentro do próprio corpo”. Algumas vezes, quando ocorre laceração ou ruptura de algum tecido, o médico pode limpar a área afetada, suturar, porém a cura ocorre devido a forças inerentes e processos dentro do próprio corpo. Quando esse processo de equilíbrio é prejudicado devido a alguma doença ou a uma disfunção estrutural, o osteopata é treinado para reparar esse mecanismo intrínseco do organismo, auxiliando o corpo a curar-se de forma mais rápida e eficiente.

4. O Tratamento Baseado na Aplicação destes Princípios

O tratamento osteopático aplica estes princípios juntamente com um conhecimento minucioso da anatomia e da fisiologia. Um tratamento típico emprega a manipulação osteopática para restaurar a liberdade estrutural dos tecidos, aumentar a passagem de líquidos pelo corpo e criar um ótimo estado para a ocorrência da cura.