Osteopatia Craniana

sutherland

A osteopatia craniana é o estudo da anatomia e fisiologia do crânio e das suas inter-relações com o corpo como um todo. Pode ser usada para prevenir e tratar as alterações da saúde, juntamente com a prática osteopática global.

William Garner Sutherland, DO (1873 – 1954), foi o fundador da osteopatia craniana. Ele descobriu e ensinou a osteopatia craniana até a primeira metade do século XX e referiu sua descoberta como: “Osteopatia na área cranial”. O Dr. Sutherland foi o primeiro osteopata a perceber um sutil movimento dos ossos do crânio e a continuidade deste movimento rítmico através de todos os tecidos do corpo. Enquanto ele era estudante da American School of Osteopathy, ponderou os pequenos detalhes do crânio desarticulado e imaginou alguma função para uma arquitetura tão complexa. Sutherland concluiu que toda estrutura existia para realizar uma função particular. Olhando para o osso temporal, teve um flash de inspiração: “formato oblíquo como às guelras do peixe indicando movimento respiratório para o mecanismo articular”.

Naquela época, os livros de anatomia afirmavam que as suturas cranianas eram fundidas e impossibilitadas de se moverem, então, Sutherland pensou que sua inspiração era absurda e resistiu a essa noção de que os ossos do crânio podiam se mover. Porém, esta ideia tornou-se a motivação para sua detalhada e prolongada pesquisa sobre o crânio. Experimentações foram realizadas sobre sua própria cabeça e após muitos anos de intenso estudo, o Dr. Sutherland veio a descobrir um novo fenômeno e nomeou sua descoberta como: “Mecanismo Respiratório Primário”. Sutherland reconheceu esse fenômeno como a maior expressão vital do organismo.

Mecanismo Respiratório Primário

O Dr. Sutherland havia identificado no funcionamento do crânio o mesmo mecanismo de autocura descoberto pelo Dr. Still, o mecanismo respiratório primário (MRP).

Mecanismo – porque manifesta-se como um sistema composto de muitas partes que trabalham juntas para criar um todo, o qual é, maior que a soma das partes. Os movimentos não são independentes, eles funcionam juntos, dentro de um mecanismo.
Respiratório – porque é o fundamento do metabolismo, permite as trocas de gases e outras substâncias entre os compartimentos do corpo – respiração celular.
Primário – porque é um sistema que vem primeiro. Ele realça todos os processos de vida e dá base para toda a anatomia e a fisiologia, dirigindo todas as funções do corpo.

O movimento do crânio descrito no Mecanismo Respiratório Primário (MRP) depende de seus 5 componentes para ocorrer, sendo eles:
  1. O movimento rítmico e inerente do cérebro e da medula espinhal.
  2. A circulação do líquido encéfalo raquidiano (licor) que banha e nutre o cérebro e a medula espinhal.
  3. A mudança de tensão provocada pela dura-máter ao redor do cérebro e da medula espinhal. Esta estrutura membranosa inteira age como uma unidade e sua ação é chamada de: “Tensão Recíproca das Membranas”.
  4. O movimento rítmico e inerente dos ossos do crânio.
  5. O movimento involuntário do sacro, entre os ilíacos.

O sistema nervoso central também tem seu próprio movimento involuntário ritmado, como a respiração pulmonar e o batimento cardíaco, ele apresenta um ritmo alternado de contração e expansão. O Dr. Sutherland descreveu esta atividade inerente do sistema nervoso como um movimento respiratório com fase de inalação e exalação. As mãos treinadas do osteopata, conectadas diretamente ao mecanismo respiratório primário, fazem uma avaliação e promovem uma resposta terapêutica. Esta respiração primária é um guia principal, é uma inteligência interna inerente.

O movimento respiratório primário se expressa em todas as células do corpo, influenciando todas as funções corporais. Osteopatas treinados em osteopatia craniana são capazes de colocar suas mãos em qualquer parte do corpo do paciente e perceber a influência deste importante mecanismo.

Os pacientes que apresentam distúrbio do sono, cefaleia, disfunção da ATM, problemas de má-oclusão, síndrome do pânico, fadiga, zumbidos, otites de repetição, fibromialgia, problemas pediátricos, autismo, paralisia cerebral, convulsões, entre outros, podem ser beneficiados com o tratamento da osteopatia craniana.